Wednesday, October 19, 2005

Blindness
Sob a luz de uma vela que mal consegue iluminar a si mesma, escrevo, imerso em tédio de umas 4 horas sem energia elétrica, possesso de sentimentos dos mais primitivos: a raiva e a inveja (o vizinho da casa em frente está há horas desperdiçando o que pra falta mim, arrancando barulhos ininteligíveis na maior desarmonia que em toda minha vida já presenciei).
Sim, sou escravo e dependente químico assumido das comodidades dos dias atuais. Me banir da civilização, só por opção. E é por falta dela é que me encontro aqui, de mãos atadas, vendo(ou não) meus peixes morrerem afogados(entende-se asfixiados), e com a mão esquerda doendo de tanto apertar a lúdica "lanterna azul do meu celular". Ao menos para isso ele haveria de servir um dia. Diga-se, a bateria já está pelas últimas. E o vizinho continua a lutar com seu instrumento satânico(somado à frivolidade), que repete a mesma música(?) a cada intervalo de tempo.
Ainda sobre a vela. Ela parece rir de mim. Só agora que notei seu nome: KILUZ. Eu que o diga. Kiluz, kisom, kinoite.
E vejam só! A música mudou! Aliás, não, ainda não obtivemos essa vitória. Continua a mesma, está mais lenta, bem mais lenta. Quem diria: o Rambo vencido pelo cansaço.
Ele me interrompeu, perdoe-me, velinha(bem mais inha nesse momento). Em cima do pavil parece ter um espiral meio concha de caramujo, e ao redor, claro, a sórdida chama. Lembrarei de NUNCA MAIS comprar desse esqueiro-vovô-em-pele-de-vela.
Despeço-me às escuras. Sim, de forma bem romanesca e sentimentalóide: à luz de velas(e uma só), fortemente amparada por um Neo 1999.
A.
Ps: A música voltou com força máxima.

0 Comments:

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home